respeitar as diferenças

Como estimular a criança a respeitar as diferenças?

Respeitar as diferenças, empatia, diversidade, pensamento inclusivo. Esses são alguns termos que vão se tornando populares à medida que a representatividade avança. Eles transformam a maneira como nos relacionamos socialmente, mas seu mal entendimento, em alguns casos, pode causar confusão e debates acalorados.

Compreender o significado e a profundidade desses conceitos é essencial, e transmiti-los às crianças de maneira clara também. Afinal, trata-se muito mais de uma forma de reorganização social que de ideias vagas a serem debatidas.

Neste artigo, vamos demonstrar como é possível desenvolver o respeito às diferenças nas crianças desde cedo, além de mostrar que você deve contar com o auxílio da escola nessa tarefa, sendo esse um dos critérios para escolher a instituição em que seu filho vai estudar. Leia até o fim e fique por dentro do assunto!

O que significa respeitar as diferenças?

Em seu curso sobre como contar histórias, o jornalista Shane Snow explica que, desde a gênese da espécie humana, nosso corpo produz dois tipos de hormônios diferentes que definem nossa relação com as outras pessoas: ocitocina e adrenalina.

Quando consideramos que alguém é um amigo, uma pessoa que pode fazer parte da nossa “tribo”— segundo a visão dos homens das cavernas — nosso corpo libera ocitocina. Por outro lado, há também aqueles casos em que consideramos uma pessoa como uma ameaça ou um forasteiro: é quando a adrenalina é liberada.

Ou seja, a ocitocina é a substância responsável pela empatia ou identificação com quem é parecido com a gente. O problema é que, na vida social, não é porque uma pessoa é diferente que ela seja uma ameaça real a quem somos ou a nossos amigos e costumes.

Nesse sentido, respeitar as diferenças significa não ceder a uma vontade natural de exercer um julgamento precipitado. Significa dar tempo e ter curiosidade pelas outras pessoas, entendendo como elas são, sua forma de pensar e viver, assim como sua história e suas escolhas.

Como estimular o respeito às diferenças nas crianças?

Antes que essa pergunta passe pela sua cabeça, a resposta é sim, é importante estimular o respeito às diferenças nas crianças. Afinal, isso é, no mínimo, uma das muitas habilidades que elas vão precisar ao longo da vida.

No mercado de trabalho, nas relações profissionais e mesmo entre familiares, somos convidados a conviver com pessoas muito diferentes de nós, exercendo o diálogo e a tolerância.

Abaixo, explicamos as melhores maneiras de estimular empatia e respeito nos seus filhos desde pequenos. É importante que isso seja feito naturalmente e que os seus próprios exemplos familiares sirvam para incentivá-las.

Explique sobre diversidade

Por definição, falar sobre diversidade é se referir a tudo que é diverso. No contexto social, estamos nos referindo à convivência entre pessoas diferentes — por exemplo, no que diz respeito a religião, orientação sexual, etnia, cultura e gênero.

Pode não parecer algo difícil de entender para os adultos mais bem informados de hoje em dia. No entanto, algumas questões como essas podem ser difíceis de explicar às crianças, principalmente se não forem muito bem direcionadas pelos pais.

Dê o exemplo

As crianças não aprendem apenas pelas palavras, elas precisam ver suas atitudes. Sendo assim, dê exemplos diários de empatia, aceitação e promova o diálogo sobre as diferenças com todos ao seu redor.

Se você gostaria que seu filho ou filha se torne um ser humano admirável, comece transformando essas questões dentro de si.

Converse de forma clara e objetiva

Sobretudo quando tratamos de assuntos delicados ou polêmicos, tendemos a evitar o diálogo com os pequenos, ou fazer uso de meias palavras. No entanto, esse comportamento costuma trazer mais problemas que soluções.

Além do mais, quando um tema não é abordado claramente com as crianças, o que costuma ocorrer é que elas não parem de perguntar sobre o assunto até terem a resposta que precisam.

Então, seja claro, objetivo e conciso nas explicações. Dê exemplos da vida real e corrija comportamentos indesejáveis dos pequenos — por exemplo, quando eles reproduzirem preconceitos aprendidos fora de casa — e não tenha medo de abordar os temas mais complexos sempre que necessário.

Faça brincadeiras que estimulem a integração entre as crianças

Nada tem poder maior para nos fazer entender aqueles que são diferentes de nós quanto ouvir suas próprias histórias. Sendo assim, você deve ensinar seu filho a se relacionar com todos os colegas e a ouvir sobre a vida deles.

Agindo dessa forma, você promoverá a interação e integração entre as crianças, em uma convivência com respeito às diferenças. Essa é uma prática que ajuda muito mais a criar empatia do que qualquer discurso ou frase pronta.

Existem atividades lúdicas que também podem ajudar nisso. E vale lembrar que ensinar a respeitar as diferenças é tarefa da família e da escola.

Apresente exemplos de representatividade

Mas isso também não significa que as conversas não sejam importantes. Durante esses papos, mostre exemplos de representatividade que acontecem no seu trabalho, na própria escola do seu filho e em outros locais perto de casa.

Seja você também alguém que pratica o respeito pelas diferenças. É bom bater nessa tecla, porque, na educação, os exemplos mais corriqueiros são também os mais eficientes.

Por que a escolha da escola deve levar em conta a diversidade?

Algo que afirmamos várias vezes ao longo deste artigo é que, para que as crianças aprendam a respeitar as diferenças, os exemplos devem estar em todos os lugares. Sendo assim, você deve começar escolhendo uma escola diversa para o seu filho estudar.

Mas a importância da diversidade para a escolha de uma escola não para por aí. Também é necessário saber que a instituição propaga com orgulho valores como empatia e diversidade. Aprender na prática e na teoria é muito importante para que essas questões façam parte do DNA das novas gerações.

Então, se você queria alguns critérios para escolher a próxima escola do seu filho, aqui está mais um. Em uma instituição que ensina a respeitar as diferenças, todos são bem-vindos, o diálogo é uma constante e as crianças desenvolvem a empatia e o amor ao próximo.

Se quiser ler mais a respeito, não deixe de dar uma olhada também no nosso artigo sobre consciência social. Assim, você vai enxergar um contexto maior de onde emanam o respeito, o diálogo e a convivência pacífica com as diferenças.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.