linguagem de internet

Linguagem de internet: devo me preocupar se o meu filho estiver usando?

A linguagem de internet — ou o “internetês” — é um fenômeno que aparece principalmente entre os jovens. A sua principal característica é ser mais informal, desconsiderando a norma padrão da língua, o que, para os mais experientes, pode ser um motivo de preocupação. Assim, uma dúvida comum é: “Afinal, se o meu filho usar essa linguagem, devo me preocupar?”.

Esse é um assunto importante porque é saudável que os pais ou os responsáveis se preocupem com o desenvolvimento do aprendizado linguístico de crianças e de jovens. Sabendo disso, separamos, neste post, tudo que você precisa saber sobre a linguagem de internet e se ela é motivo de preocupação de fato. Confira!

Onde crianças e adolescentes podem ter contato com a linguagem de internet?

A linguagem de internet é simplificada e informal. Ela surgiu conforme a comunicação pelas ferramentas digitais foi se tornando cada vez mais fácil, principalmente dos anos 1990 para cá. A sua função principal é dar um maior dinamismo às conversas online, modificando ou substituindo as regras da gramática vigentes.

Então, em comentários e postagens nas redes, por exemplo, você encontra uma maior flexibilização em relação a regras ortográficas e o uso amplo dos emojis — símbolos que traduzem a maneira como as pessoas se sentem —, pois a escrita não usa exatamente as mesmas funcionalidades de expressividade que estão disponíveis na oralidade.

Afinal, quem nunca decidiu usar uma abreviação das palavras na troca de mensagens? Embora seja comum entre os mais jovens da geração digital, que passam proporcionalmente mais tempo nas redes sociais, a linguagem de internet também é aplicada por adultos e idosos. Eliminar letras, sílabas inteiras da palavra ou até mesmo mudar a acentuação de alguns vocábulos no momento de conversar nos bate-papos é um dos meios usados com o objetivo de deixar a comunicação mais rápida e semelhante ao dinamismo das conversas orais.

A linguagem de internet prejudica o processo de ensino-aprendizagem?

Nós criamos com frequência novas alternativas para manter uma comunicação rápida e, ao mesmo tempo, reduzir as distâncias e a impessoalidade dos diálogos. No ambiente virtual, essa característica fica ainda mais evidente com a linguagem de internet.

Como se trata de um uso restrito, o “internetês” não atrapalha o processo de ensino e o desenvolvimento de uma língua materna. Na verdade, ele pode ser usado a favor do ensino, principalmente quando os professores reconhecem que os alunos usam a linguagem de internet e tomam-na como ponto de partida para explicar conceitos mais complexos acerca de uma língua.

Perceber como as mudanças ortográficas, semânticas, sintáticas e fonológicas ocorrem pode ser enriquecedor para o domínio linguístico dos alunos. Inclusive, essa é uma maneira de tornar as aulas da escola ainda mais atrativas, pois os professores usam em sala de aula os recursos que estão presentes na rotina dos estudantes.

Como explicar que há momentos certos para usar a linguagem de internet?

O processo de escrita que faz uso de siglas, abreviaturas, emoticons e memes se tornou uma prática habitual e tão corriqueira que, muitas vezes, tanto jovens quanto adultos não notam que estão fazendo uso da linguagem da internet fora do ambiente virtual. Isso é comum, embora seja um bom motivo para ficar alerta.

O “internetês” é uma linguagem adequada apenas para contextos mais informais. Nas atividades escolares e, principalmente, na vida profissional, é imprescindível priorizar textos escritos de acordo com as normas tradicionais da língua. No entanto, importante respeitar as variações linguísticas e não condenar o uso de uma linguagem mais informal em conversas igualmente informais. Porém, também é fundamental saber escolher a variedade da língua mais adequada para cada situação.

Na redação do Enem ou em uma prova de seleção de emprego ou estágio, por exemplo, a linguagem de internet deve dar lugar às normas tradicionais da língua. Os pais ou os responsáveis podem ajudar as crianças e os jovens a perceberem essas nuances, explicando a importância de respeitar os diferentes contextos de uso. Sem falar que estimular o diálogo e ter conversas mais sérias só traz benefícios para o relacionamento de pais e filhos.

Como ocorre o desenvolvimento de uma língua?

O desenvolvimento da língua começa desde muito cedo, quando os pais ou os responsáveis estimulam o diálogo dentro de casa e a criança, por exemplo, começa a dizer as suas primeiras palavras, mesmo nos primeiros anos de vida. Na escola, na fase posterior à alfabetização, elas já estão em torno de um contexto de desenvolvimento da língua materna.

Na alfabetização, são realizadas atividades pedagógicas com a criança para promover o domínio de um sistema linguístico que estimula as competências de escrever, ler e interpretar textos escritos. Essa promoção é feita estimulando o lado lúdico e reflexivo dos alunos.

O desenvolvimento linguístico de um aluno antes da escola se torna um repertório extremamente importante para os resultados posteriores provenientes da alfabetização. Na escola, as crianças são submetidas a um processo de aprendizado sistematizado, a partir de exercícios e de abordagens voltadas para cada idade.

Não há um consenso sobre como ocorre o desenvolvimento da língua nos primeiros anos escolares. Especialistas na área atribuem a esse processo diferentes camadas e níveis de aprendizado.

No livro Psicogênese da Escrita, a professora e pesquisadora Emília Ferreiro explica que o processo de alfabetização começa na fase pré-silábica, quando as crianças percebem que a escrita é algo relacionado ao que está sendo dito, indo até a fase alfabética, quando elas atribuem à fala o valor da escrita e conseguem reconhecer os fonemas automaticamente.

No entanto, a alfabetização é apenas um dos períodos de desenvolvimento da língua. Esse é um processo contínuo, que acontece em todo o desenvolvimento infantil e se dá, inclusive, fora do ambiente escolar, uma vez que as crianças, os jovens e até os adultos colocam em prática a língua materna em diferentes ocasiões da vida.

Chegamos ao final e esperamos que o post tenha respondido às principais dúvidas sobre a linguagem de internet e acerca de como ela influencia o processo de aprendizado. De maneira geral, ela é um dos modos de uso que qualquer um pode fazer de uma língua. Então, não há problema em empregá-la, desde que no seu devido contexto.

Se você gostou das informações até aqui, aproveite para conferir também o nosso post completo sobre os benefícios da programação no aprendizado das crianças!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.