7 pontos essenciais da estrutura escolar

7 minutos para ler

Eleger uma escola para o seu filho não é uma tarefa fácil. Afinal de contas, envolve ponderar diferentes metodologias, serviços e facilidades ― a exemplo da distância de casa e até os horários de entrada e saída. E mais importante ainda, é a questão que envolve os valores pessoais e familiares e os ideais de educação que você deseja fomentar como forma de contribuir para o futuro.

Nesse sentido, é indispensável que a estrutura escolar não apenas atenda às necessidades do jovem, mas, principalmente, confirme a missão educacional e possibilite uma aplicação eficaz do projeto político-pedagógico.

Para ajudar você a construir uma análise crítica sobre a escola ideal para seu filho, fizemos este artigo explicando quais itens são fundamentais na hora de avaliar a melhor estrutura escolar. Continue conosco nas próximas linhas!

Por que os espaços físicos da escola são importantes para o desenvolvimento infantil?

A infância é a fase mais importante do desenvolvimento de um ser humano, pois esses anos iniciais podem determinar quem a criança será ao longo da vida. É nesse período que os pequenos aprendem sobre comportamentos adequados, limites, empatia e muitas outras habilidades sociais importantes.

Além disso, é nessa época que começa o processo de construção do conhecimento e surgem as primeiras interações com habilidades essenciais para os anos posteriores. Desenvolver comunicação, coordenação motora, percepção das diferentes ciências e aproximação com a tecnologia são apenas alguns dos pontos-chave do processo de ensino-aprendizagem na rotina infantil.

Para tanto, a prática educativa precisa utilizar diferentes linguagens e espaços de atuação como forma de engajamento no universo lúdico da criança. A estrutura escolar deve ser pensada para possibilitar a total exploração desses ambientes e gerar intervenções que possibilitem interações de alto nível entre os alunos e professores e os campos de experiência.

Veja, a seguir, 7 pontos que consideramos indispensáveis na relação entre estrutura escolar e aprendizagem. 

1. Espaços flexíveis e versáteis

Para que seja possível investir em metodologias ativas de aprendizado, ou seja, aquelas que colocam o aluno no papel de protagonista, é indispensável que os ambientes da escola ganhem múltiplas funções e sejam adaptados às necessidades de cada disciplina.

Isso significa, entre outras coisas, que cada local seja utilizado para receber diferentes atividades, desde projetos cotidianos até eventos pedagógicos de maior porte. O objetivo é que os alunos tenham condições de explorar esses espaços intencionalmente. 

2. Período de adaptação

Tanto para as crianças iniciantes na vida escolar quanto para os alunos maiores que, eventualmente, precisam trocar de escola, a fase de adaptação é crucial para o estabelecimento de um convívio social positivo e a sensação de pertencimento.

Para alcançar um bom resultado, a escola precisa contar com ações bem definidas no período de acolhida do novo estudante, sendo compreensiva com os limites das crianças recém-chegadas e fornecendo orientações à família nas práticas corretas.

Inclusive, esse período é muito especial, pois é um dos momentos de introdução da família à escola. Logo, precisa refletir as especificidades dos valores pedagógicos e a missão institucional ― é o caso, por exemplo, de instituições que baseiam suas filosofias em preceitos religiosos.

3. Número de alunos e presença de assistentes em sala de aula

Outro ponto importante que reforça a estrutura escolar é saber o número máximo de estudantes por sala de aula e a quantidade de funcionários auxiliares para cada grupo de crianças. 

A totalidade de alunos é prevista por lei, mas a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional delega a cada secretaria municipal ou estadual de educação o estabelecimento desses padrões.

Ainda assim, os Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil estabelecem orientações (repare que não se trata de uma normativa) para as quantias correspondentes de estudantes e professores. Essa flexibilização é importante para que cada escola ― especialmente as particulares ― consigam organizar as salas de aula de acordo com sua metodologia de ensino.

4. Cantinhos lúdicos

Observe o número de áreas recreativas que a escola oferece: playground, minicidade, horta, sala de jogos, salas de hora do conto e leitura etc. Os exemplos são muitos e variam entre instituições.

O principal, aqui, é observar se esses ambientes vêm sendo utilizados adequadamente e se estão em boas condições de segurança. Além disso, procure identificar como a escola se organiza para a melhor utilização desses ambientes na aplicação da metodologia de ensino.

5. Laboratórios 

Os laboratórios de ciências e informática são importantes campos de experimentação. Além disso, atividades como a programação e a robótica acompanham a tendência de transformação digital no mundo. 

Aliás, você já ouviu falar em “cultura maker”? Essa é uma forma de propiciar que os alunos desenvolvam o pensamento computacional, tão necessário para que ampliem seu destaque na vida do trabalho. Inclusive, é um dos diferenciais de escolas que agregam a tecnologia às suas práticas educativas, estimulando os jovens a lidarem com dispositivos eletrônicos, computadores e até robôs. 

6. Salas artísticas e alas esportivas

A arte e o esporte são básicos para o desenvolvimento social e cognitivo dos alunos. Observe quais são os projetos artísticos e como eles se relacionam às demais áreas do conhecimento. Veja se há ateliês de música, dança ou teatro e como a escola utiliza auditórios e salas de encontros coletivos. 

Do ponto de vista do esporte, informe-se sobre quais são as atividades oferecidas, como natação e outras oficinas, e se a instituição de ensino costuma realizar ou participar de campeonatos que foquem o desenvolvimento físico dos estudantes.

7. Logística de segurança

A segurança dos alunos deve estar em primeiro lugar. Então, observe como é o planejamento de entrada e saída. Alguns pontos importantes são: 

  • os alunos utilizam cartão de segurança? 
  • os estudantes são recebidos quando chegam à escola (diretamente na sala de aula, acompanhados dos pais; no pátio, juntos dos professores)?;
  • a hora da saída tem procedimentos padronizados (o chamamento é feito por microfone; os pais buscam os filhos nas salas; as crianças ficam em uma área reservada)?
  • o acesso à escola por micro-ônibus é feito de que modo (na rua ou em acesso pelo estacionamento)?

Como você pôde perceber, a estrutura escolar está intimamente ligada ao projeto pedagógico e constitui um dos pontos-chave para o sucesso no ensino. Por isso, a melhor forma de conhecer uma escola é por meio das visitações. 

Indo pessoalmente à escola, é possível conhecer as instalações, observar as produções dos alunos, conhecer alguns professores e conversar com a coordenação responsável pelo curso. Dessa forma, você conseguirá tirar todas as dúvidas e sentir a rotina do local de ensino.

Gostou deste conteúdo? Então fique por dentro de ainda mais dicas sobre educação: assine já a newsletter do nosso blog e receba artigos exclusivos diretamente em seu e-mail!

Posts relacionados

Deixe um comentário