esportes na adolescência

Atividade física na adolescência: saiba como estimular os seus filhos!

O computador, o celular, o tablet e a televisão parecem ser os melhores amigos do seu filho adolescente? Saiba que você não é o único com a impressão de que essas novas gerações não gostam muito de se envolver em tarefas coletivas ou ao ar livre. Mas fica a pergunta: será que eles realmente não gostam ou os pais e responsáveis não estão sabendo como tornar determinadas atividades mais atraentes para a juventude?

Antes de qualquer coisa, é preciso saber que, quando falamos dos benefícios da prática de atividade física na adolescência, a referência não é somente a saúde dos adolescentes, mas o desenvolvimento deles em todos os âmbitos: físico, social, afetivo e intelectual.

Em outras palavras, os exercícios esportivos movimentam a rotina dos jovens porque trabalham corpo e mente de maneira integrada — o que acaba por auxiliá-los (e muito!) no enfrentamento dos desafios encontrados nas mais diferentes áreas de suas vidas.

A seguir, explicaremos um pouco mais sobre as vantagens que as atividades físicas proporcionam aos mais jovens. Também vamos apresentar algumas dicas para que família e a escola possam atuar em conjunto no incentivo à prática. Interessou-se? Então continue a leitura!

Por que praticar atividade física na adolescência?

De certa forma, todos sabem que combater o sedentarismo é uma tarefa de extrema importância — e isso vale para todas as idades, não só para os adolescentes.

O que muitos não sabem é que os benefícios das práticas esportivas incluem não somente o emagrecimento e a melhora da saúde e condicionamento físico. Essas atividades promovem também o desenvolvimento integral dos jovens, uma vez que também estimulam o autoconhecimento, a concentração, a disciplina e a socialização.

Abaixo, listamos bons motivos para encorajar os adolescentes a adotar o hábito de fazer exercícios:

  • melhora a qualidade de vida;
  • garante mais disposição em outros compromissos diários, como acordar cedo e estudar;
  • combate a obesidade;
  • reduz o desenvolvimento de diabetes tipo 2;
  • aumenta a capacidade cardiorrespiratória;
  • diminui as chances de pressão alta e doenças cardiovasculares;
  • amplia a força, a agilidade, a flexibilidade e a resistência muscular;
  • evita osteoporose;
  • corrige a postura;
  • aumenta a concentração e a capacidade de raciocínio;
  • favorece o autoconhecimento e a construção da autoestima;
  • diminui estresse e ansiedade;
  • contribui com a descoberta das próprias habilidades;
  • promove a socialização e a independência;
  • oportuniza momentos de diversão.

Uma preocupação muito frequente dos pais é com relação à influência da prática de exercícios físicos na fase de puberdade dos filhos. O que podemos dizer é que a prática só gera benefícios para o corpo humano, independentemente da idade do praticante.

No entanto, não deixa de ser importante ter algum cuidado com essas atividades na fase de passagem da infância para a adolescência. Isso acontece porque treinamentos vigorosos, com intensidade e duração não planejadas ou reguladas, podem gerar prejuízos ao desenvolvimento do corpo, como a redução do ganho de estatura. Vamos falar mais sobre esse ponto, a seguir.

Quais os principais cuidados na prática de esportes na adolescência?

Para que fiquem mais claros os cuidados a serem tomados quando pensamos em atividade física e esportes na adolescência, confira os itens a seguir.

Faça uma avaliação médica

Para garantir os benefícios dos esportes na adolescência, é recomendado fazer uma avaliação médica a fim de conhecer o nível de condicionamento e a aptidão física do jovem. 

Por meio da avaliação médica será possível saber o histórico de saúde do adolescente, se existe algum problema crônico de saúde ou se eventualmente deve haver restrição para determinadas atividades.

Dessa maneira, é possível ter tranquilidade de que os riscos da atividade física vão diminuir muito.

Evite treinos além do limite físico

É muito comum que os adolescentes queiram se desafiar, por exemplo, chegando ao limite de sua capacidade física. Porém, esse comportamento pode ser arriscado, fazendo com que eles se machuquem gravemente ou sofram algum colapso.

Outro sinal de que está havendo excesso de exercício físico é quando o adolescente começa a perder peso ou está abaixo dos padrões de crescimento esperados para a faixa etária. 

Então, é importante que os pais fiquem atentos para o tipo de atividade física realizada e como os adolescentes estão executando as práticas.

Certifique-se de que haja acompanhamento adequado

Invista em atividades físicas dirigidas, não importa qual seja a modalidade praticada. Em uma academia, por exemplo, isso permite que o instrutor elabore um programa completo, baseado nas capacidades físicas do jovem e em seus interesses.

Além disso, o profissional de educação física oferecerá orientações de como realizar os exercícios, de maneira a evitar sobrecarga, e garantirá que o adolescente mantenha uma postura correta para evitar lesões.

Fique de olho na duração das atividades físicas

Um programa esportivo é a melhor maneira de evitar que os adolescentes se tornem sedentários. Sendo assim, os pais podem ajudar os filhos a planejarem suas atividades físicas e até, quem sabe, participar em algumas delas.

O ideal é que as atividades físicas aconteçam diariamente, no mínimo, durante ao menos 60 minutos. É importante que sejam práticas de intensidade moderada a vigorosa, incluindo exercícios aeróbicos.

Além disso, é importante que ao menos 3 vezes por semana sejam realizadas atividades que fortalecem os ossos (como correr ou pular) e ajudem a construir os músculos (como escalar ou fazer flexões).

Certifique-se de que a alimentação está adequada

A alimentação adequada ajuda não apenas na manutenção do peso ideal, como também contribui para maior desempenho na prática de esportes na adolescência. Por essa razão, é preciso garantir que a atividade física aconteça em conjunto com uma alimentação equilibrada.

Para saber como deve ser o cardápio, é essencial visitar um nutricionista ou médico esportivo. O profissional fará uma série de exames, por exemplo, para aferir a taxa de massa corpórea e índice de gordura, além de conversar com o adolescente sobre seus hábitos e preferências. A partir de então, é estabelecida uma conduta alimentar.

Também, é preciso que o corpo esteja energizado antes e após o treino, o que implica alimentar-se com fruas, sucos, aveia etc. Da mesma forma, é preciso lembrar de um vilão silencioso para o atleta: a desidratação. Logo, é preciso tomar bastante água antes, durante e após o treino.

Que atividades físicas são recomendadas?

Talvez o maior desafio de fazer os jovens realizarem uma atividade física não seja dar o primeiro passo, como fazer a matrícula em um clube ou academia do bairro, mas fazê-los manter uma regularidade. Em outras palavras, é indispensável que a atividade física entre na rotina e se torne um hábito com o tempo.

O maior erro nesse desafio é obrigar os filhos a praticar determinado esporte. Isso pode, na verdade, afastá-los ainda mais das atividades físicas. É Importante respeitar os limites e as aptidões dos mais jovens, deixando eles mesmos escolherem as modalidades que mais os agradam. Veja, a seguir, algumas sugestões e os impactos de cada uma na adolescência.

Natação

A prática de natação fortalece a capacidade respiratória e promove o aumento da oxigenação do cérebro e da resistência física. A entrada em uma escola de natação também estimula o senso de coletividade, devido ao contato frequente com os colegas.

Corrida

Tornar a corrida um hábito, mesmo que seja durante pouco tempo por dia, gera benefícios tanto para o sistema cardiovascular quanto para o controle do peso. Mas, cuidado, pois os treinos não podem ser exagerados — caso contrário, podem gerar dores, lesões e até fraturas.

Vale a pena começar com 30 a 45 minutos de corrida em dias espaçados da semana (como segunda, quarta e sexta). Conforme a adaptação e a prática, o tempo e a recorrência podem aumentar.

Artes marciais

Jiu-jitsu, kung fu, judô, boxe, entre outras artes marciais também podem ser praticadas por crianças e adolescentes. Além de ensinar técnicas de defesa pessoal, elas promovem a disciplina, combatem a obesidade e otimizam a coordenação motora.

Esportes

Os esportes de maneira geral geram alguns benefícios extremamente úteis e saudáveis à vida na adolescência, como o desenvolvimento da coordenação motora, o aprimoramento das habilidades cognitivas, o estímulo ao respeito às regras e a convivência em grupo. Futebol, vôlei, basquete e até mesmo atletismo ou ginástica artística são outras opções muito bem-vindas!

Musculação

Há uma polêmica sobre a prática da musculação para crianças e adolescentes. Não existe comprovações de que a musculação em si seja prejudicial aos jovens. O que nunca deve acontecer é o trabalho com cargas máximas ou além das capacidades normais da pessoa (empurrar os limites até o esgotamento completo do corpo ou região muscular).

Por isso, o acompanhamento de um instrutor durante os treinos é fundamental. O recomendado é que a prática da musculação na adolescência vise ao aumento da resistência muscular e a flexibilização do corpo. São benefícios adquiridos com um treino que foca mais em alongamento e movimentação do que força.

Como estimular o meu filho adolescente a realizar atividade física?

Para obter as vantagens das atividades físicas, é preciso começar a praticá-las, certo? Contudo, para a maioria dos pais não é assim tão fácil convencer o filho adolescente a largar um pouco o computador para dar uma volta pelo bairro.

Sabendo disso, procuramos encontrar maneiras de ajudar as famílias a tornar a realização de exercícios mais atrativa aos jovens da casa. As dicas são as seguintes!

Considere as suas vontades e habilidades

Forçar alguém a fazer algo que não gosta não é, nem de longe, uma boa ideia. É necessário que o adolescente esteja livre para escolher a atividade que mais lhe agrada, pois somente assim ele pode criar um hábito, ou seja, estabelecer uma regularidade. Além do mais, quando ele é obrigado a fazer algo que contraria suas vontades e habilidades, o efeito costuma ser exatamente o contrário: ele se afasta de vez das práticas esportivas.

Ofereça oportunidades variadas

Nem sempre as pessoas sabem quais são suas verdadeiras preferências e aptidões. Por essa razão é interessante oferecer aos jovens oportunidades de experimentar as mais variadas modalidades para descobrir aquela com que mais se identificam.

Procure mostrar que os exercícios podem ir muito além daqueles que eles já conhecem ou praticam nas aulas de Educação Física. Lembre-os de que muitas atividades artísticas (tais como a dança e o teatro) também são formas de manter o corpo em movimento.

Desassocie as atividades físicas da ideia de competição

Adquirir o tão citado espírito esportivo e saber competir é, com toda certeza, uma competência bastante significativa. Todavia, quando o jovem está à procura da modalidade que lhe atrai, a ideia de competir pode gerar nele sentimentos como medo e insegurança — que podem se reverter em descontentamento e falta de vontade. Sendo assim, nessa primeira fase de motivação, o objetivo que deve prevalecer é o prazer, e não a competição.

Dê o exemplo

Insistir para que seu filho deixe de ser sedentário quando você mesmo não pratica nenhuma atividade física pode ser um pouco contraditório, não é mesmo? Ainda que possa parecer que não, os pais são a principal fonte de referência dos adolescentes, que dificilmente vão encarar os exercícios como algo agradável e benéfico se não tiverem nenhum tipo de exemplo dentro de casa. Por isso, reveja sempre os seus próprios costumes!

Encoraje as atividades em grupo

Na companhia da família ou dos amigos, é certo que as atividades físicas se tornam muito mais envolventes e motivadoras. Fazer uma caminhada no parque junto de um grupo de colegas (ou com apenas um só), por exemplo, é uma ótima chance de colocar o papo em dia e descobrir outras afinidades. Além disso, quando estamos acompanhados, um acaba incentivando o outro a não desistir.

Qual é o papel da escola no incentivo à prática?

Os pais têm grande responsabilidade na introdução de hábitos saudáveis na rotina dos filhos adolescentes, mas a escola também contribui no que se refere ao incentivo à prática de atividades físicas. Aliás, é fundamental que haja uma real parceria entre a família e a escola, isto é, que ambos mantenham um diálogo e atuem em conjunto no desenvolvimento dos jovens.

Mas como as instituições de ensino podem ajudar nessa tarefa? O oferecimento de modalidades variadas (esportivas e artísticas) e a promoção de ações que envolvam toda a comunidade escolar (jogos internos, por exemplo) são maneiras simples e efetivas de movimentar os alunos.

Pode parecer complicado — e até um ideal distante — tornar a prática de atividade física na adolescência um costume. Mas, conforme vimos, muitas vezes isso acontece porque os jovens associam os exercícios a algo chato, enfadonho e obrigatório. Em outras palavras, eles os relacionam com tudo aquilo que se distancia do prazer, da diversão e da realização pessoal.

Talvez o caminho seja, portanto, demonstrar que é possível, sim, deixar um pouco de lado o celular e encontrar satisfação em outras atividades. Para tanto, é preciso aproximá-las do universo dos adolescentes, considerando as vivências, sentimentos e pensamentos comuns dessa idade.

Agora você já entende a importância da atividade física e dos esportes na adolescência, mais uma questão de extrema relevância para o desenvolvimento do corpo e da mente nessa fase da vida. Esperamos que este conteúdo tenha sido útil para você, especialmente se tiver filhos adolescentes.

Gostaria de receber conteúdos educacionais como este diretamente em seu e-mail? Então, assine já a nossa newsletter!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.